Que luz minha

Ela é essencial. É a luz que acende quando preciso de inspiração para trabalhar com criatividade, para escrever, ter novas ideias, desenvolver um projeto e fotografar. 

Ora vem de dentro, de um espacinho no cérebro ou do meio do coração;
Ora vem de longe, do sol, dos raios que cortam nuvens e cortinas até dentro do quarto, iluminando em tons de branco, amarelo, dourado, laranja e azul do céu.

A luz não tem hora.
Lembro quando ela começou a surgir no momento de definição (ou quase isso) da minha carreira profissional. Escolhi continuar fotografando e escolhi estudar propaganda e marketing. Há 15 anos optei pelo curso. Durante os 5 de duração, pensei em abandonar, pensei que fiz a escolha certa, encontrei pessoas incríveis, professores inspiradores e grandes ideias, tudo foi combustível para prosseguir até o dia da formatura.

A luz me acompanha até hoje, às vezes com menor intensidade, outras me ofusca, mas sempre iluminando o caminho na luminância ideal.

Quando ela surge, é o momento da inspiração, seguida do clique.